Passageiros Sem Bilhete

22 dezembro, 2006

Influencias...

29 novembro, 2006

Contracepçao




Depois do vídeo do Fausto relacionado com o Natal, mais um...

27 novembro, 2006

Urban Dictionary

Sugerido por Hugo Alves aka Daddy-O Alif:

Pensei que possam estar interessados nisto que encontrei
por acaso

http://www.urbandictionary.com/

Abraços

Sugestões dos leitores

Esta é uma sugestão do nosso leitor, João Maló:

http://bioterra.blogspot.com/2005/12/natal-sem-compras-um-natal-mais.html


A considerar.

26 novembro, 2006

Para pensar...

22 novembro, 2006

Toma Lá Folheto (parte 2)

Quem perdeu o puro exercício de genialidade e sátira do Toma Lá Folheto (parte 1), pode ir aqui. Os outros rogo-lhes que continuem.

Na minha busca incessante pela luz, descobri uns fulanos piores que as Testemunhas de Jeová. Impossível, exclamará o estimado leitor, levantando a sobrancelha esquerda num misto de desconfiança e terror. Verdade, verdadinha, afianço-lhe eu.

Mais parolos que a Buffy, mais insuportáveis que os MCA e mais incómodos que a blenorragia, eis os Iurdos. Os Iurdos são provenientes do Iurdistão, país que tem a sua embaixada no antigo cinema Império, em Lisboa. Ainda pensaram em estabelecer-se no Porto, no Coliseu do Porto em 1995, mas, desta vez, os nossos amigos tripeiros não foram em cantigas e nós, pobres mouros, é que fomos contemplados com mais uns ilustres folheteiros.

Sim, os Iurdos, à semelhança das Testemunhas, também distribuem folhetos não solicitados pelas nossas casas. O último, intitulado “Água do Rio Jordão”, apela à compra dumas garrafinhas de água santa de propriedades mágicas que cura tudo. O rio Jordão é o principal charco do Iurdistão onde jovens belas se banham nuas e o sexo prolifera alegremente. Tudo com regras e na graça do Senhor, claro.

E, para os mais cépticos, apresentam “testemunhos de vidas transformadas”. Uma dessas vidas foi a da Sra. Filomena Rodrigues. Passo a citar:

“Era uma pessoa muito doente e infeliz. Sofria de asma, rins, estômago,
intestinos, coxeava duma perna, (...) tinha dores de cabeça, (...)era viciada no
álcool, fumava 60 cigarros diariamente, (...) era incapaz, depressiva,
desempregada e (...) agia como uma louca.”


Parece que a Filomena deu uns golitos na água do Jordão e ficou impecável. Já não tem doenças, está feliz e com um belo emprego. Ainda bem. Ficamos muito contentes. Mas, Filomena, para a próxima diz só o que tu tens de bom na tua vida. A lista fica muito mais pequena. É que só faltou acrescentar SIDA e paraplegia à lista de enfermidades e desgraças.

Para curar qualquer tipo de doença, basta preencher o destacável e assinalar com uma cruz aquilo de que padece. A lista inclui cancro, HIV/AIDS, problemas cardíacos, epilepsia, estirilidade, etc. Depois, quando na terça-feira se dirigirem ao centro de ajuda espiritual, basta entregar a lista ao seu pastor. Eles não dizem, porque são modestos, mas eu sei de fonte segura, que os primeiros dez a chegar também recebem os números do totoloto para as próximas quatro semanas.

Claro que todas estes procedimentos decorrem na maior das legalidades. Na realidade, existe um contrato entre os Iurdos e o paciente (paciente de paciência e não sinónimo de doente) que é autentificado por Deus. Basta pegar no contrato, levantá-lo bem alto e o omnipotente dá-lhe logo um carimbo de certificação divina. Para completar, o pastor dá uma dedada com sangue de cordeiro. Com sangue de galinha também é legal e aprovado pelos tribunais mas o cordeiro tem outro gostinho. É o chamado contrato de fé de cabidela. Só faltam os cominhos e uma pitada de sal.

“Vai dar certo. Isso vai dar certo, rapaz! E tem que dar. E tem que dar.”

Na noite dos impossíveis e das conquistas financeiras nada é impossível. Desde águas milagrosas, a contratos com Deus (uma boa ideia visto já existirem há muitos anos contratos com a concorrência, leia-se, Diabo), a pastores Iurdos tresloucados, podemos contar com tudo.

Nas palavras do nosso estimado pastor:

-“ Deus tem que fazer os impossíveis e acabou!”

Senão o gajo chateia-se e ainda se vira ao estalo a Deus.

História da música electrónica

Quem nasceu primeiro: o ovo ou a galinha? Há coisas que não podemos saber... Mas podemos saber de onde vem o "House", o "Techno", o "Jungle", entre outras.

http://www.di.fm/edmguide/edmguide.html é um site que nos indica os estilos musicais que influenciaram os estilos de música electrónica.

Aconselha-se a que vejam o site com alguma disponibilidade; para o House, por exemplo, encontramos 40 estilos musicais diferentes. Se tivermos em conta que cada estilo musical vem acompanhado de uma pequena descrição e alguns exemplos (em alguns casos, mais de 10), temos aqui entertenimento para mais de duas horas.


Aconselhável. 5 estrelas.

21 novembro, 2006

Toda a verdade

Afinal, foi graças a este senhor que o Veiga foi desmascarado. Com apoiantes deste nível, o FCP vai longe.

18 novembro, 2006

Alice no Pais das Maravilhas


Ao ver alguns episódios desta velhinha série, dei por mim a pensar...

Não vos parece estranho que a rapariga beba um chá, encolha, e descubra um novo mundo com flores que falam, coelhos atrasados, rainhas de copas, exércitos de cartas?

E que no episódio seguinte, desejosa de voltar ao "País das Maravilhas", coma um bolo, aumente significativamente de tamanho, e volte a esse maravilhoso mundo alucinogénio?

Quando me diziam em pequena "Não aceites comida de estranhos, que pode ter droga!", eu aceitei bem essa desculpa. Deus me livre de querer drogas aos 10 anos! Depois cresci e percebi que era a desculpa da avózinha... Quem é que se ia dar ao trabalho de colocar drogas em rebuçados para dar às crianças?

Afinal, andei enganada... Há mesmo quem faça isso. Quem ponha alucinogénios no chá e bolo da Alice. Porque de outra maneira, não era possível criar esta fabulosa história que tantos encanta.